ARTIGOS

Você está em - Home - Artigos - Diferença Clínica e de Biomarcadores na Eclampsia de Preparto e Pós-Parto

Diferença Clínica e de Biomarcadores na Eclampsia de Preparto e Pós-Parto



Há um grande corpo de literatura que avaliou a incidência e fatores de risco de eclâmpsia, mas pouco foi feito na avaliação da associação de características clínicas e marcadores biológicos com eclâmpsia pré e pós-parto.

Métodos
Um total de 361 mulheres eclâmpticas admitidas em três hospitais de ensino entre 2008 e 2013 foram incluídas nesta análise. Uma análise comparativa foi feita para várias variáveis ??clínicas e biológicas para avaliar sua associação com a eclâmpsia pré e pós-parto.

Resultados
A incidência global de eclâmpsia foi de 1,2% (pré-parto 71% e pós-parto 29%). A maioria das mulheres com eclâmpsia pré-parto era jovem, primigesta, mais hipertensiva, sintomática e proteinúrica. Por outro lado, a maioria das mulheres com eclâmpsia pós-parto era adulta, multípara, com gestação a termo, anêmica, trombocitopênica e com disfunção hepática. O sintoma de gravidade mais comum (cefaléia) foi menos comum em mulheres eclâmpticas no pós-parto.

Conclusão
A incidência de eclâmpsia estava entre as mais altas do mundo. E a análise mostrou que o espectro clínico e bioquímico da eclâmpsia pré e pós-parto eram aparentemente diferentes. A maioria das mulheres que desenvolveram eclampsia pós-parto eram multíparas e adultas. Desarranjo de biomarcadores também foi mais comum em mulheres com eclâmpsia pós-parto.

Fonte: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4650881/

VEJA TAMBÉM:



Texto Original



There is a large body of literature which assessed the incidence and risk factors of eclampsia, but little was done in assessing the association of clinical features and biological markers with prepartum and postpartum eclampsia.

Methods
A total of 361 eclamptic women admitted to three teaching hospitals between 2008 and 2013 were included in this analysis. A comparative analysis was done for several clinical and biological variables to assess their association with prepartum and postpartum eclampsia.

Results
The overall incidence of eclampsia was 1.2% (prepartum 71% and postpartum 29%). The majority of women with prepartum eclampsia were young, primigravida, more hypertensive, symptomatic and proteinuric. Conversely, the majoritys of the women with post-partum eclampsia were adult, multiparous, carrying pregnancy to term, anemic, thrombocytopenic, and with hepatic dysfunction. The commonest severity symptom (headache) was less common in postpartum eclamptic women.

Conclusion
The incidence of eclampsia was among the highest in the world. And, the analysis has shown that the clinical and biochemical spectrum of prepartum and postpartum eclampsia were apparently different. The majority of the women who developed postpartum eclampsia were multiparous and adult. Derangement of biomarkers was also more common in women with postpartum eclampsia.


VEJA TAMBÉM: